O modelo de gestão da informação adotado pela BVS está baseado na premissa de que o acesso à informação e ao conhecimento científico e técnico são determinantes sociais para o desenvolvimento da saúde.

Os processos de tomada de decisão na área da saúde são mais eficientes e eficazes quando subsidiados por fontes de informação de qualidade. A capacidade de ação dos atores envolvidos nestes processos, incluindo-se gestores, profissionais, pesquisadores, estudantes e cidadãos, aumenta de forma direta e proporcional ao nível de informação e conhecimento de qualidade disponível. O desafio é estabelecer laços entre a produção de conhecimento e o uso deste conhecimento, reforçando as relações entre ciência e sociedade.

Esta conscientização sobre a importância da informação como insumo para a ação perpassa as diferentes dimensões da saúde, desde os espaços de definição de políticas públicas, por parte dos planejadores e gestores, até a adoção de comportamentos saudáveis e a defesa do direito à saúde, por parte da população. A disseminação do conhecimento científico é, portanto um pré-requisito essencial para possibilitar ações e mudanças efetivas nas práticas de saúde e estabelecer políticas sociais e de saúde.

Num plano mais geral, a centralidade que a BVS atribui ao acesso e ao uso da informação está alinhada com o paradigma da Sociedade da Informação ou do Conhecimento. Iniciativas inseridas neste contexto, tais como os movimentos pelo acesso aberto, inclusão digital e informacional, uso social dos recursos tecnológicos, entre outros, representam desafios com os quais a BVS contribui de forma determinante para sua superação.

Na América Latina e Caribe a situação da saúde se agrava devido às profundas desigualdades socioeconômicas, à extrema situação de pobreza e iniquidade no acesso aos serviços básicos de saúde. Utilizar a informação e o conhecimento em prol do desenvolvimento da saúde dos povos das Américas requer a adoção de abordagens que se renovem constantemente num processo dinâmico de inovação.

Tanto o panorama mais geral da Sociedade da Informação quanto as particularidades da região apontam para a relevância da adoção de mecanismos de compartilhamento de informação de qualidade para que os países possam intercambiar sobre as experiências acumuladas e adaptá-las às circunstâncias e necessidades locais. O trabalho cooperativo em rede de produção de fontes de informação garante o uso compartilhado de padrões e critérios de controle de qualidade que conferem confiabilidade à informação reunida na BVS, diferentemente dos demais mecanismos de busca que operam na Internet.

Este modelo é conformado pela contribuição de diferentes áreas do saber, especialmente a ciência da informação, comunicação científica, biblioteconomia, cienciometria, ciência da computação, ciências da saúde, entre outras.