A Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) é uma rede de gestão da informação, intercâmbio de conhecimento e evidência científica em saúde, que se estabelece por meio da cooperação entre instituições e profissionais na produção, intermediação e uso das fontes de informação científica em saúde, em acesso aberto e universal na Web.

Consolidada como estratégia de cooperação técnica em informação científica em saúde na região da América Latina e Caribe e extensível a outras regiões em desenvolvimento, a BVS é promovida e coordenada pela Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde por meio do Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME/OPAS/OMS).

A BVS é resultado da evolução da cooperação técnica em informação em ciências da saúde conduzida pela BIREME desde sua criação em 1967. Inicialmente, este modelo de cooperação técnica foi pautado pelas funções essenciais de uma biblioteca biomédica regional, promovendo o fortalecimento e uso compartilhado coleções e serviços entre bibliotecas. No final da década de 70 este modelo se expandiu, agregando-se à biblioteca a função de centro de informação e indexação, momento em que a BIREME assumiu a coordenação do controle bibliográfico da literatura científica e técnica em saúde publicada em periódicos da América Latina e Caribe (AL&C). Esta ação foi determinante para dar início ao movimento de promoção sistemática da visibilidade regional e internacional da produção científica e técnica em saúde da AL&C.

No final da década de 80, as funções de controle bibliográfico da produção científica e os serviços de pesquisa bibliográfica passaram a ser operados de forma descentralizada sob a responsabilidade dos países da região, fortalecendo as capacidades nacionais em infraestrutura e recursos humanos para gestão da informação em saúde. Neste período, a base de dados LILACS passou a ser produzida de forma cooperativa, recebendo contribuição de todos os países. O vocabulário controlado Descritores em Ciências da Saúde (DeCS) teve sua tradução para o espanhol e português e ampliação com novas categorias, e foi também adotado na indexação e pesquisa multilingue da literatura científica e técnica da AL&C e internacional. A operação cooperativa do controle bibliográfico assim como de outros produtos e serviços da cooperação técnica era conduzida por meio do Sistema Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde, coordenado pela BIREME, e conformado por sistemas nacionais estabelecidos na forma de redes de bibliotecas e centros de documentação.

A partir dos anos 90, o modelo de gestão da informação e intercâmbio de conhecimento em saúde convergiu para o novo paradigma da Internet como meio de produção das fontes e fluxos de informação científica e técnica, no qual predomina um processo intensivo de desintermediação e operação direta das fontes de informação online pelos usuários. Surge então a BVS, lançada em 1998 no IV Congresso Regional de Informação em Ciências da Saúde (CRICS4) realizado em San José, Costa Rica e por meio da Declaração da Costa Rica “Hacia la Biblioteca Virtual en Salud”.

A evolução na cooperação técnica em informação em saúde da OPAS/OMS por meio da BIREME representou um processo gradual de absorção de novos paradigmas, sem qualquer ruptura com os modelos adotados anteriormente. Os sucessivos modelos¹ de gestão de informação e comunicação científica sempre foram orientados para a promoção do trabalho cooperativo e em rede que é o ponto em comum presente em todos estes modelos.

Com a construção da BVS, também de forma cooperativa e em rede, o desenvolvimento de capacidades e infraestruturas para facilitar o amplo acesso à informação em prol da saúde se fortalecem progressivamente.

Após 12 anos de lançamento, todos os países da América Latina e Caribe contribuem ou utilizam, direta ou indiretamente, os produtos e serviços cooperativos promovidos por meio da BVS. Sua rede é formada por mais de duas mil instituições distribuídas em 30 países, incluindo países do hemisfério sul, de outras regiões do mundo, que também vêm adotando o modelo.

Como princípios, a BVS busca a equidade no acesso à informação em saúde; a promoção de alianças e consórcios para maximizar o uso compartilhado de recursos; a promoção do trabalho cooperativo e do intercâmbio de experiências; seu desenvolvimento e operação descentralizados em todos os níveis; o desenvolvimento baseado nas condições locais; e o estabelecimento e aplicação de mecanismos integrados de avaliação e controle de qualidade.

Dentre os avanços nos processos de gestão da informação nos âmbitos nacionais se destacam: a adoção da BVS como um dos elementos das políticas públicas em informação em saúde; os investimentos no aprimoramento das infraestruturas de informação como o aumento de conectividade e ampliação do acesso à Internet; a capacitação contínua de recursos humanos em tecnologias e metodologias relacionadas à BVS; o desenvolvimento colaborativo de fontes de informação e o intercâmbio de conhecimento por meio de espaços colaborativos.

A BVS, como estratégia, modelo e marco operacional de cooperação técnica representa uma inovação em gestão da informação, conhecimento e evidência científica para o fortalecimento dos processos de formulação e tomada de decisão sobre políticas, planejamento, gestão, pesquisa, educação, serviços e atenção à saúde, implantada de acordo com as condições sociais, econômicas e culturais da região.