A BVS, como mecanismo para o desenvolvimento da saúde por meio do acesso equitativo à informação e ao conhecimento científico e técnico, assume um compromisso absoluto com a busca da qualidade e confiabilidade das fontes de informação que integram sua rede.

Este compromisso está presente em todas as suas dimensões – na constituição de redes sociais representativas das instituições produtoras e intermediárias de referência em suas instâncias geográficas e temáticas, assim como na adoção de critérios para o controle de qualidade da gestão e produção da rede de conteúdos.

O alcance e manutenção deste padrão de qualidade é garantido pela adoção de políticas, critérios e procedimentos para a produção das fontes de informação, que irão variar de acordo com cada tipo de fonte. A partir da adoção do modelo BVS para gestão da informação e conhecimento científico, técnico e factual em saúde, o universo de fontes de informação se amplia enormemente. Essa ampliação acarreta diretamente no aumento do volume e tipologia da informação indexada pelas diferentes fontes de informação da BVS.

Muitas publicações contidas nas fontes de informação da BVS não são submetidas à revisão por pares. Isso não significa que possuem qualidade inferior. Muitas vezes, estas publicações dispensam este processo de avaliação por se tratar de documentos institucionais como relatórios, informes, entre outros. Outras variáveis devem ser consideradas nesta avaliação, como a vinculação institucional do documento, a indexação em bases de dados nacionais e internacionais, confiabilidade e significância dos dados publicados, etc.

Como produto característico da ciência, as publicações científicas possuem critérios consolidados internacionalmente para a garantia e controle de qualidade. Dentre estes critérios destacam-se revisão por pares, comitê editorial, regularidade de publicação, periodicidade, entre outros. Na BVS, os periódicos indexados nas fontes de informação LILACS e SciELO, obedecem a critérios para seleção e permanência nas coleções (ver Indicadores de avaliação das instâncias BVS).

Visando contribuir para a melhoria de qualidade das publicações e dos periódicos científicos da região ibero-americana, uma das linhas de ação de cooperação técnica é a capacitação dos atores envolvidos no fluxo da comunicação científica. A capacitação direcionada para editores e envolvidos no fluxo editorial contempla informação sobre todas as etapas de gestão, desde a submissão até a publicação final da revista. Sociedades científicas ou instituições que desejem criar um novo periódico científico também são orientados sobre as melhores práticas de como fazê-lo.

Tendo em vista a importância da linguagem e formato adequados na escrita de artigos científicos, a comunidade acadêmica recebe treinamento visando a melhoria de qualidade dos manuscritos que serão submetidos para publicação. Esta ação contribui para que bons resultados de pesquisa não sejam invalidados por uma redação inadequada.

As métricas utilizadas para avaliação das publicações científicas (índices de impacto, citações, dados de acesso e download, indexação em bases de dados, etc.), seus usos e limitações fazem parte do conhecimento relacionado com a comunicação científica que é compartilhado com a rede BVS.

A avaliação bibliométrica e cienciométrica compreende a análise quantitativa da produção, disseminação e uso da informação. Com base em índices e métricas, como citações, downloads e outros, tais estudos fornecem dados e rankings que permitem atribuir critérios de qualidade a periódicos, artigos, livros e outros.

Dada a complexidade destas metodologias, estes estudos não são aplicados de forma sistemática nas fontes de informação da BVS. Algumas bases de dados associadas, como a rede SciELO, disponibilizam uma grande variedade de dados bibliométricos. Estes dados podem ser utilizados como subsídio para apoio à tomada de decisão, formulação de políticas públicas, bem como prover aos usuários ferramentas para avaliar uma determinada fonte de informação.